16 de julho de 2009

Psyche

O sol esbatia-se nas tuas sombras, cria impérios de luz em traços tão delicados. O lado negro da lua. O esplendor dos reflexos raiados do olhar, janelas de espírito.























Nesse mesmo momento sonhei que era algo dentro de um homem, tive de sair. Ao olhar com assombro para o meu exterior, o meu corpo, tive de o pintar. Os olhos sempre ficaram vazios, pois esses são reservados ao artista.


Gosto de acariciar barrigas.

15 comentários:

  1. Tão bonito, confortável e alegre.

    Adoro a foto. Representa algo de ti.


    Gosto do teu lenço!
    Abraço :)

    ResponderEliminar
  2. Eu gostava de conseguir esse feito, de chorar apenas porque já conheci o auge e não porque me tiraram de lá mas a simplicidade das coisas está em sabê-las mas o difícil é assimilar as mesmas e saber quando parar. Apenas o tempo o dirá.

    Eu partilho da tua ideia de amor e para mim amor é isso mesmo: a altura em que a outra pessoa não necessita das nossas palavras para saber que a amamos e então ai o silêncio torna-se o aconchego mais terno, a melhor carícia e a forma mais sentida de dizer "amo-te".

    Já agora também tenho a mania de usar assim o lenço (:

    ResponderEliminar
  3. a balada hipnotiza,enfeitiça,transporta,apaixona.
    move

    ResponderEliminar
  4. obrigado por ouvires a balada, sem nome.

    agradecia que me convidasses a ler o teu blog.


    mexe

    ResponderEliminar
  5. Do pouco que li de ti, tenho a percepção de uma mente que consegue ver o belo no feio, a perfeição no rude, a simplicidade no mais complexo, o extraordinário no vulgar. Não te considero um Filosofo de Merda, considero-te um Filósofo.
    No fim de contas todos os somos, para tal basta que comecemos a questionar o mundo que nos rodeia e que duvidemos, e parece-me que o fazes de uma forma bastante isenta.

    ResponderEliminar
  6. Devemos aceitar o que é impossível deixar de acontecer

    Shakespeare

    afradeço o interesse, com o aviso de que é algo desiteressante.

    ResponderEliminar
  7. Digamos que quem pressente é o protagonista e aqueles que murmuram sao os figurantes que pintam um cenário.
    Gostei muito desta reflexão sobre o homem
    (ou pelo menos assim subentendi.)

    Também gostava imenso de ir ver essa exposição ao porto, btw.

    ResponderEliminar
  8. assustas-me com as palavras. entras na minha mente.


    as barrigas gostam de ser acariciadas

    ResponderEliminar
  9. Se são teorias de merda ainda bem que estas pequenas merditas, ou como no nome da série de BD "Zits", existem, pois dão-te uma visão do mundo bastante peculiar. Pareces-me uma pessoa que se participássemos numa verdadeira tertúlia, ou seja num debate de ideias sério, serias um excelente parceiro ou adversário de argumentação.

    ResponderEliminar
  10. Como referi anteriormente possuis uma excelente capacidade de questionar e aind bem que assim é.
    Gosto de conhecer vários pontos de vista e gosto que me mostrem que estou errado, ou que nãp estou a escolher o melhor caminho. Contudo nem sempre defendo o que penso.
    "Gosto de rodar pelos dois lados do Mobius." E "Meter alguma lenha na fogueira."

    Quanto à referencia de zits, no registo calão "zits" é mesmo usado para referir "merditas", mas o seu significado em dicionário é borbulhas sim senhor.

    ResponderEliminar
  11. os teus textos entram facilmente cá dentro. eu também gosto de acariciar barrigas. às vezes até sinto borboletas!

    ResponderEliminar
  12. Bate fundo os teus textos! continua.

    ResponderEliminar

Os Reflexos