23 de março de 2011

Figura

Após um breve inalar, a respiração prosseguiu acompanhada e esquecida, pelas outras vibrações. Uma mulher fazia-se soar. Uma mulher fazia as cordas do seu violoncelo deixarem de existir numa forma fixa e tensa para uma forma não visível, uma forma ela ignorada, talvez por isso mesmo. Mas ela conhecia todos os pontos, sabia chegar ao estado em que o tempo entre um movimento e o outro é apenas medido pela sua respiração (outrora esquecida). Qualquer outro dado distante fosse provavelmente lembrado por minhas fobias, mas não por ela, não, tudo era vácuo, um vácuo sonoro limitado ao seu espaço e este raciocínio involuntário suspenso por fios exercia a mesma gravidade do seu instrumento, pronto a cair não no silêncio, mas em qualquer outro som, intraduzível.







A frieza, a frieza das mãos desta mulher em contacto com aço. A vontade predominante era esvaziar o espaço dos pulmões, da sala, do mundo, todo o ar em excesso à sua acção, todo o som e pensamento desnecessário.







Há um momento de suspensão posterior, originado pelo desejo do som permanecer indefinidamente.

Tomada de consciência, tédio.

15 comentários:

  1. Foi um acto quase involuntário ir escrever assim que li o teu comentário, pelo que pode ser considerada uma resposta.

    Para mim é um pouco essencial, dependendo do texto ou de outros factores do momento, a música, quer seja quando estou a escrever ou quando estou a ler.

    Concordo plenamente com a primeira frase e devo dizer que gosto muito da forma como escreves-te este texto e a forma como o ilustras-te com as fotografias. Quase como uma pausa entre cada pedaço de prosa.

    ResponderEliminar
  2. A segunda imagem recorda à mente as pinturas de Vermeer.

    ResponderEliminar
  3. Obrigado henrique.
    Fico feliz por te ter oferecido tal apetite.

    Continuo a imaginar-nos sentados, cada um numa ponta de uma mesa digna da realeza, tu com o chapéu de Napoleão na cabeça, ligeiramente inclinado para a esquerda a planear batalhas e a derrubar um exército de pequenos soldadinhos verdes.

    ResponderEliminar
  4. O texto foi fruto do meu alter-ego, Gabriel.

    A liberdade é terrivelmente assustadora, mas como o amor, só é valorizada por aqueles que têm consciência de que não a possuem.

    As coincidências alegram a vida nos seus momentos mais sombrios.

    Tenho saudades de representar.

    ResponderEliminar
  5. Gosto imenso da música que aqui tens de Satie, costumo fingir que foi composta antes de este conhecer o (seu) amor.

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  7. Encontro-me numa fase em que não sei o que deve assumir mais importância na vida: o Eu ou o Outro.

    As palavras que partilhei nas nossas conversas tornaram-se tuas desde que as escutaste.

    Só peço para ler a peça e recordar.

    ResponderEliminar
  8. A vida no palco é paralela à vida humana.

    No palco sou homem.

    ResponderEliminar
  9. Também, mas a complexividade do cérebro humano ainda me fascina mais.

    Quando estava a criar o post em questão lembrei-me de ti, de uma das nossas conversas passadas em que aconselhaste a ter alguém por perto caso experimentasse LSD. Still makes me smile and laugh.

    ResponderEliminar
  10. O que é reconfortante na arte é que ela é criação do ser humano.
    A vida é uma possibilidade, o que realmente é difícil é decidir como viver.

    Nunca existe demasiada poesia.
    Quanto à loucura é uma faca de dois gumes.

    O mundo em que vivemos é muita coisa simultaneamente, mas é, antes de mais, uma confusão.

    ResponderEliminar
  11. O que mais gosto em ti é o facto de te colocares a ti mesmo estas perguntas.

    Até ao próximo Outono.

    ResponderEliminar
  12. É um filme de imagens bonitas e diálogos filosóficos.

    Não, foi apenas uma questão de lógica.
    Após o Verão, regressa o Outono.

    Sukhanov

    ResponderEliminar
  13. Et toi, any trips planned for the summer?

    ResponderEliminar
  14. Paris é uma cidade demasiado cheia, demasiado complicada, demasiado cosmopolita e demasiado romântica.
    Mas, Paris ofereceu-me uma das minhas melhores memórias, porque foi nesta cidade que conheci e me apaixonei por Victoire de Samothrace.
    Foi a primeira vez que ouvi dizer que Paris tinha jazz.

    De facto, nunca poderemos viver sem vícios. Mas gosto de acreditar que pudemos viver sem rituais e sem coisas.
    Talvez um dia, o dinheiro sirva apenas como matéria de sobrevivência e não como alvo de ambição.

    O idealismo tem a vantagem de manter acesa a esperança, mas a desvantagem de roubar a beleza à vida.

    Já tive a vontade de conhecer o mundo, mas agora quero apenas conhecer as pessoas e os seus rostos.
    Serra da Freita é o local ideal para pensar e para ser livre.

    ResponderEliminar

Os Reflexos