23 de agosto de 2009

Beco


Lá estava sentada num candeeiro, a chuva já não caía, mas tudo que o que recebia o toque humano apercebia-se húmido e frio. A nostalgia ideal para uma noite de inverno, tudo era a preto e branco sem necessidade de câmara fotografia, ou câmara escura. Sempre que uivava um vento nos seus cabelos, ao contrário à natural humanidade, um calor intenso concentrava-se nos seus lábios e no seu peito. Como poderia estar ali sentada até à madrugada, simplesmente a ouvir e deixar-se aquecer pelo vento. A uma certa altura apercebeu-se que não sentia mais ar veloz na nuca, mas sim uma melodia em pianíssimo. De onde viria não a preocupava, qualquer feito de magia podia ser esperado ali, o súbito estalar de notas nos velhas pedras das casas realmente era de venerar, mas ali não precisou, simplesmente encaixou na noite, uma melodia em pianíssimo, a ecoar com os tons graves do vento nas estreitas vias da noite.

29 comentários:

  1. éh, não perdes nada. também dizia isso até começar a trabalhar com eles xD
    obrigada :D

    ResponderEliminar
  2. Pergunto-me a mesma coisa.

    Gostei muito do artista, eu gosto imenso de bach equando compus aquele texto tambem estava a ouvir bach e acho que se integram bem a musica e o texto numa sensação algo estimulante à imaginação e à memória

    ResponderEliminar
  3. Concordo contigo. Ouvir a canção por detras da composição requer concentração mas por vezes escrevo algo que se adequa a uma dada composiçao e ai, por uma vez, nao tento decifrar a canção e canto-a eu mesma.

    ResponderEliminar
  4. que simpático cenário :)
    transmite bastante conforto além da escuridão da noite.

    Apreciei bastante a leitura.
    Belas palavras.

    Abraço :}

    ResponderEliminar
  5. honestamente não sou a maior apreciadora de textos deste género, geralmente prefiro textos mais taciturnos ou de carácter global.

    o que mais gostei foi da melodia, música clássica é sempre muito mais pessoal, é impossível não nos deixar-mos envolver.

    e também gostei imenso da imagem que texto dá da cidade (ou pelo menos presumi que era 1a cidade), lembrou-me a Lisboa antiga que se vê nos postais a preto e branco.

    quando li pela 1ª vez achei que não teria muito para dizer sobre o texto, mas acho que por detrás da história inicial há muito mais conteúdo ainda por explorar.

    1a história nunca é só sobre o que fala, cada frase quebra-se em outras histórias que levam a novas reflexões.

    sabes onde foi tirada a fotografia e por quem?

    ResponderEliminar
  6. sempre que lemos algo encontramos sempre novas perspectivas..

    é por isso que ler é tão gratificante.

    não é necessário muita “bagagem” para algo ser verdadeiro e rico.

    gosto do facto de ser 1a fotografia nua, apenas a rua e a mesa.
    adoro o pormenor dos letreiros dos cafés, dá humor a foto.

    a solidão sem humor seria insuportável.

    achei que tudo desde a foto até ao texto é básico e verdadeiro e por isso que oculta tanta riqueza.

    por este motivo o Inverno é tão frágil e belo, apresenta a natureza nua e sem artifícios.

    just as she is

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  11. gostava que lesses um post que escrevi.

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  13. a mentira tal como a ignorância faz parte de nós, mas podemos minimizar a mentira, porém não acho que seja possível erradicá-la.

    conheci o nome Penélope no livro A Sombra do Vento, apaixonei-me pelo nome, não sei o seu significado original, mas gosto de pensar que significa pureza e simplicidade.

    já te aconteceu teres o mesmo sonho repetidamente?

    adoro quando isso acontece, assim posso analisar o sonho, e reescreve-lo.

    ter um diário é como um álbum, impedir o nosso esquecimento e gravar o nosso passado, mas gosto mais de escrever em máquinas de escrever do que á mão, porque não tenho letra de escritor e adoro ouvir a música das teclas.

    honestamente não sei o que terá mais importância o silêncio, as palavras, os gestos ou as imagens.

    mas acho que prefiro o silêncio, as palavras geram demasiados conflitos e contradições e em relação aos gestos e ás imagens cada vez são mais clichés e “franchisados” já não há muito de original e único.

    quanto ao fresh start, esquece já me redimi comigo mesma, obrigada.

    ResponderEliminar
  14. O filme é a sua obra-prima, a junção entre o massacre e o humor (tortuoso e cruel).
    Quando a Emmanuelle levou os tiros fiquei paralisada, porque acreditei que ele era diferente.
    E a banda sonora é exuberante e maliciosa, as misturas de música clássica com sons agudos, fiquei sem palavras.
    Foi (na minha opinião) a 2ª melhor actuação do Brad Pitt, e no final a frase que ele diz senti que era o próprio realizador a falar do seu próprio filme.
    Só me incomodou um pormenor, eles eram oito sem contar com o tenente Aldo e apenas indica o final de cinco dos oito soldados, ou pelo menos só consegui identificar o “final” de cinco.
    E não gosto da Diane Kruger como actriz.
    A violência estava real, e a mistura entre as falas dos basterds e dos alemães, estavam mais uma vez humorísticas e reais.
    Detestei foi ter de aturar com os trailers, não houve um único filme decente exposto nos trailers.

    Acho que o sonho mais intrigante que já tive foi um sonho onde só aparecia um quarto branco e uma mulher.
    Mas uma mulher excepcionalmente bela, a sua pele era branca e os seus olhos também (era cega), os lábios pintados de preto e só vestia um casacão, umas luvas longas e umas meias de vidro, todo preto. Os cabelos eram encaracolados e emaranhados, e usava um chapéu de coco, e olhava para mim, sem me ver.

    A interpretação dos sonhos é um livro brilhante, Freud é a prova da utilidade da psicologia, detesto pensar que existem pessoas que acham que sonham por acaso e que estes não significam nada.

    p.s ainda em relação ao filme, só não achei ser o melhor ww2 movie (como pensava), prefiro o Defiance e a Lista de Shindler e logo a seguir vem o Inglorious Basterds.

    Não acham que os gestos digam sempre a verdade, já pode ver pessoas realizarem gestos de amor completamente vazios e os seus companheiros acreditarem na sua autenticidade. E não acredito naquela frase de todos somos cegos no amor, as pessoas é que fingem ser cegas porque muitas vezes têm medo de ficar sozinhas.

    Mas concordo que palavras mais facilmente enganam do que gestos.

    ResponderEliminar
  15. de certa forma, sim.
    aho que passei por ti de carro ontem :)

    ResponderEliminar
  16. epá, isso não eu não reparei -.-
    mas estavas de calças vermelhas (isto é, se eras mesmo tu).

    ResponderEliminar
  17. os close ups estavam excelentes, gostei imenso quando a Emmanuelle pinta duas riscas de batom nas faces, como um soldado antes de partir para a batalha.
    também gostei muito da cena em que ela está encostada ao vidro e vemos o seu reflexo e para além do vidro um poster de uma mulher, e seguidamente a bandeira nazi sobrevoando o seu reflexo.
    adorei a gargalhada dela, completamente maquiavélica, mas preferia que ela tivesse feito o discurso ou em alemão ou em francês.

    em relação ao fight club, é um filme que qualquer cinéfilo deve ver e em termos cinematográficos é muito bom, mas em termos de gostos não sou a fã nº 1 do filme. E acho que a melhor interpretação do Brad Pitt é no filme Babel.

    detesto a Uma Thurman porque ela é daquelas actrizes que faz um bom filme, neste caso o kill bill e depois não faz mais nada, porque depois da saga do kill bill ela fez maioritariamente comédias românticas comerciais.

    adorei o discurso inicial do general Landa, com o agricultor e gostei imenso do discurso do tenente Raine, mas prefiro o primeiro. Também gostei do pormenor das alcunhas.
    achei que a interpretação do Hitler é que podia ter sido melhor, mas depois de ver o filme alemão sobre o fim do 3º Reich e os últimos dias de vida do Hitler acho que não vou encontrar 1ª interpretação tão fiel da sua personalidade.

    ResponderEliminar
  18. até costumo ser bastante distraída, tanto a andar de carro, como a pé. as pessoas costumam passar por mim e só as "reconheço" se me disserem alguma coisa. é pá, tu passavas todos os dias por mim de manhã, engraçado não te lembrares. sou aquela gorducha com 1,65m, cabelo encaracolado, com um fetiche por camisas 8)

    ResponderEliminar
  19. eu como só entro ás 8.30, faço isso com mais calma. o café já é tomado em casa e o cigarro é nos 10 minutos que me restam antes de entrar para as aulas. ás vezes a traça é tanta que fumo dois seguidos. 8)
    que tu és apressado, isso já eu reparei pela forma como tu passas a correr xD

    ResponderEliminar
  20. não, não estou cá :|
    eu em tempo de aulas não consigo controlar nada -.- agora que estou de férias só devo ter gasto dois maços de tabaco em dois meses, mas em tempo de aulas é um em cada 2/3 dias.

    ResponderEliminar
  21. sim o pulp fiction também foi muito bom em termos de representação.

    no Babel o que mais gosto é o facto de ser 1a das poucas vezes em que o Brad Pitt se afastou do papel de protagonista e conseguiu 1a performance notável.

    em relação ao Hitler também gostei imenso do "nein,nein,nein", mas o Hitler para além de cruel era também inteligente e autoritário, acho que faltou autoridade e perspicácia.

    não gostei muito da actuação do Mike Myers como general(se não me engano)
    adorei a forma de mastigar do general Landa.

    entendo o teu ponto de vista sobre os trailers, mas acho que pode ajudar a decidir se o filme é 1ª boa opção ou não.

    mas o que não gostei naqueles trailers foi a selecção dos filmes que ia de mal a pior, Avatar, a Esperança está onde menos se espera e para culminar o grande desfile de bons filmes new moon.

    estava literalmente a desesperar por um trailer de um bom filme, coisa que nunca chegou (na minha opinião).

    o Tarantino preserva 1a tradição dos filmes antigos de que gosto muito, dá importância ao design e a apresentação das letras.

    coisa que muitos realizadores já não fazem, simplesmente apresentam letras simples sem qualquer relação com o filme.

    ResponderEliminar
  22. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  23. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  24. além de me teres posto triste ainda me fizeste chorar.

    o que mais gosto no porto é o apoio que dá ás artes.

    mas lisboa também consegue ser linda.

    como é S.joão da madeira?

    ResponderEliminar
  25. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  26. isto é deprimente.

    melhor esquecer o assunto, pode ser que um dia tenha a oportunidade de te conhecer.

    ...

    ResponderEliminar
  27. que sorte pá :|

    nem é dificil de gerir financeiramente. só quando chega á ultima semana do mês (que é quando já gastei quase tudo) ando a fazer de cravas 8)
    eu aínda não fiz contas, porque também não as quero fazer para não me assustar, mas devo gastar o dobro -.-

    ResponderEliminar

Os Reflexos