13 de dezembro de 2009

Atentado à metropole

É de fazer notar, a solidão com que um caminha pela cidade, pois esta a mim se consente com uma simplicidade, que apenas pela sua observação parece conferir uma liberdade e imaginação incondicional ao que a atravessa, e definitivamente afectada pela noite. tudo que coberto pelo véu da escuridão se torna distante, e embora o desaparecimento momentâneo de uma estrela seja completamente natural e previsível, a surpresa de encarar a noite todos os dias continua a romper o asco constante da atitude quotidiana, ao seguir automaticamente, qualquer estrada, rua, e pensamento, a noite, suprema esfinge opõem-se diante o peregrino, e interroga a sua existência, e não lhe permitirá a passagem sem que este responda, não necessariamente de forma correcta, se é que podemos chamar a uma resposta tal, mas que apenas responda, e delineie o seu caminho, assim possa tomar partido dos seus passos, que estes sejam os últimos a dar por mim, ou por ti.


A escolha foi diferente, um caminho onde luzes cor-de-laranja por vezes intermitentes se misturavam com as próprias cores da ferrugem que ao longo de décadas se havia depositado em tudo, nos veios da calçada, nos azulejos, nas paredes da fábrica, e particularmente naquela rua, na própria luz havia um tom de pó químico implícito em qualquer tipo de radiação. e finalmente fui acometido de um sentimento de coragem para parar no meio de todo aquele silêncio, ancorar subitamente a força inconsciente que me constantemente move por tudo o que faço, nada encontrei, mas de nada estava à espera, e foi a escolha do caminho que determinou este episódio aparentemente, mas só aparentemente desprovido de qualquer nexo, mas é por isto, e por tudo mais que nego a cegarrega " é só mais um dia ".

16 comentários:

  1. Devo dizer-te Henrique, que fiquei surpreendida com esta tua reflexão. É bastante louvável existirem pessoas que possam tornar uma mera reflexão vinda das suas mentes, em algo tão bonito como o texto que tens aqui! Gostei mesmo, tem muito que se lhe diga, e sinceramente, são estes tipos de pensamentos que condencionam a minha alma enquanto "aspirante a pensadora".

    Daqui Marina comunicando, caro Henrique. Este é o blog da minha turma, espero que te agrade!

    ResponderEliminar
  2. o que é que o tarantino fez desta vez que englobasse pés e janelas de carros?

    ResponderEliminar
  3. a última frase transfere a percepção de a vida ser um fardo. " é só mais um dia "

    solidão e sofrimento são o ópio da sociedade.

    (sopa de letras está de volta!)

    ResponderEliminar
  4. antigamente é que era bom, de facto.

    bye bye feet?

    ResponderEliminar
  5. O henrique que comentou és tu certo? é que não aparece. Eu só tenho uma dica. clica com o rato

    ResponderEliminar
  6. praticamente para nada, a meu ver. pedras, oh pedras.

    ainda não me disseste o que aconteceu aos pés.

    ResponderEliminar
  7. uuuh, au!, mataste-me o desejo secreto.

    ResponderEliminar
  8. também o nego, mas então coloca-se a questão de o que é um dia?

    sopa de letras: cuckoo

    nos últimos posts não existiu sopa de letras.
    não reparei na pergunta no primeiro comment.

    ResponderEliminar
  9. a frase e/ou pensamento um dia é um sonho é, na minha opinião, irrealista.

    no entanto sempre tive como possibilidade a hipótese de a nossa vida ser de facto um sonho de outro alguém que dorme e a morte representa o despertar da pessoa que de facto somos.

    um dia pode ter várias interpretações, tendo como perspectiva a realidade dos homens (maioria) um dia é rotineiro, cansativo, exasperante e insignificante face aos outros.

    de acordo com a nossa vida e personalidade um dia é uma metamorfose constante.

    um dia é, para mim, leitura de pessoas, ficção no seu estado bruto e um poço infindável de escolhas que afectam o percurso invisível do eu, do tu e do eles.

    um dia é um degrau com batimento cardíaco, que no todo forma o corpo de uma escadaria (sem corrimão).

    ResponderEliminar
  10. existe num dia ausência de algo, com o mesmo propósito que um corrimão tem numa escada.

    ResponderEliminar
  11. Admiro as tuas palavras. principalmente a segunda parte, se é que é segunda.
    Percebo que existe uma história por detrás do cenário que expões.

    Tens fãs.
    Abraço maçã aspirante a arco-íris.

    ResponderEliminar

Os Reflexos